A TV Record exibiu, neste sábado à noite, trechos de uma fita clandestina e, ainda por cima, com partes editadas que distorcem a verdade. Mesmo assim tenho que esclarecer à população que, nem mesmo os textos editados, falam a verdade. Mesmo o que foi mostrado, não diz nada.

Na chamada o locutor anuncia que eu faria dossiês contra adversários políticos. Se tivessem o cuidado de ouvir a fita, veriam que é o contrário, que eu estou dizendo na gravação que fui vítima de uma armação política da época da campanha presidencial.

Quanto ao segundo trecho, a afirmação do locutor é mais ridícula. Diz que estou negociando obras na Prefeitura de Campos. A fita integral, que foi editada pela televisão e que já foi entregue à emissora previamente editada, ainda assim aparece dizendo: “Olha, saímos de uma campanha muito difícil. Agora não posso te ajudar. Deixa a Rosinha tomar posse, pede ao Geraldo pra depois passar lá e ver se a gente consegue alguma coisa lá, alguma obra, algum serviço.”

Estão passando dos limites. Querem agora transformar uma história nebulosa de uma fita clandestina, ilegal, onde as denúncias feitas por mim contra autoridades do Estado e do governo federal são graves, como seu eu fosse o mal da história. Aí já é demais! É querer achar que o povo é idiota. Faço um desafio à televisão: exiba a fita completa! Trata-se de uma conversa normal, natural, sem promessa de nada ilegal ou qualquer coisa do gênero.

O que a reportagem não mostrou são os fatos mais graves contidos na fita: a revelação de que foi Cabral que indicou o fiscal Silveirinha, que desviou do Estado US$ 32 milhões para o exterior, e que 17 deputados estaduais foram grampeados ilegalmente pelo secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame.
Mostrem, não apenas trechos, mas a fita inteira. Aí o povo do Rio tomará ciência da podridão que tomou conta do governo do Estado e de outros órgãos da nossa sociedade.

Por que essa história surgiu num site de Brasília? Quem teria interesse em distorcer esses fatos? Quem teria interesse em esconder a verdade? Quem tem às mãos recursos para fazer gravações ilegais de seus adversários sem autorização da justiça?

Mais uma vez é politicagem. É pura perseguição!

Comentários