Visitantes online : 1730 quinta-feira, 26 de maio de 2016
25/05/2016 16:50
Reprodução da Veja online
Reprodução da Veja online


Bem, pelo calendário do relator, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) o parecer da comissão seria votado no plenário entre 1º e 2 de agosto. Porém a comissão especial do Senado deixou para o dia 2 de junho a votação do calendário proposto por Anastasia.




Com o atraso de uma semana na decisão da comissão, a votação do parecer deve ficar para o dia 7 de agosto. Basta maioria simples para o parecer ser aprovado. Hoje o cenário indica um parecer pelo impeachment com aprovação no plenário, mas até lá pode haver uma mudança do quadro. Na hipótese de aprovação em plenário de um parecer pelo impeachment, aí será marcada da sessão de julgamento final presidida pelo presidente do STF, Ricardo Lewandowski. Mas tudo indica que em agosto haverá a definição.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [0] | |


25/05/2016 15:34
Reprodução do Globo online
Reprodução do Globo online


Temer confirmou a Eduardo Paes que vai à cerimônia olímpica. Certamente não quer discursar no gramado, no máximo deve declarar aberta a Olimpíada. Sabe que vai ser vaiado, é inevitável, mas Lula e Dilma também foram. Até aí faz parte do jogo. A questão é saber o tamanho da vaia. No dia 5 de agosto Temer estará completando praticamente 3 meses como presidente em exercício. Nesse período certamente boa parte da opinião pública já terá consolidado uma posição sobre o governo Temer. Isso é que vai determinar o tamanho da vaia e das manifestações previstas.

Quanto a Eduardo Paes também será vaiado. Já circula nas redes sociais convocação para vaiarem o prefeito na cerimônia de abertura. E com quase 65% de reprovação, o momento apoteótico que Paes tanto sonhou de ser aclamado pela Olimpíada será transformado em vaias para desgosto do prefeito, que certamente carregará seu "queridinho" Pedro Paulo.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [0] | |


25/05/2016 13:56
Romero Jucá sempre ao lado de Michel Temer recepciona líderes partidários no Palácio do Planalto
Romero Jucá sempre ao lado de Michel Temer recepciona líderes partidários no Palácio do Planalto


No dia seguinte a se afastar do governo, Romero Jucá já amanheceu na reunião onde o presidente em exercício Michel Temer apresentou as primeiras medidas econômicas aos líderes partidários da Câmara e do Senado. Bem não estava lá nem como ministro, nem como líder partidário, mas fez questão de ficar o tempo todo ao lado de Michel Temer para mostrar que continua força com o presidente em exercício, que aliás, o encheu de elogios na nota onde aceitou seu afastamento. Reparem nas imagens que ele se posicionou do lado de Temer na hora de receber os líderes partidários. A imagem pode atender o interesse de Jucá, mas certamente não é boa para Temer.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [5] | |


25/05/2016 12:12
Reprodução do Globo online
Reprodução do Globo online


O afastamento de Eduardo Cunha custa R$ 500 mil mensais, que obviamente são pagos por nós. O PSOL vai entrar com representação na Procuradoria Geral da República para suspender as vantagens de Cunha. Para vocês terem ideia do absurdo, Cunha, de acordo com a decisão da Mesa Diretora da Câmara, tem direito a entre outras coisas, um chefe de cozinha, três cozinheiros, dois auxiliares de cozinha, quatro garçons e duas arrumadeiras, quatro motoristas e dezesseis seguranças. É uma farra injustificável com o dinheiro público. Ou seja, nós estamos bancando o bunker de onde Cunha segue mandando muito, na Câmara e no governo Temer.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [2] | |


25/05/2016 10:51
Reprodução da Época online
Reprodução da Época online


Essa nota nos leva a algumas constatações óbvias.

1ª Pezão não confia na capacidade de Francisco Dornelles para tocar o Estado.

2ª Dornelles não passa de uma "rainha da Inglaterra". Não pode decidir nada e os secretários não lhe obedecem, vão consultar Pezão para tudo.

3ª Jorge Picciani tem razão. O Estado do Rio de Janeiro tem dois governadores, mas não tem nenhum.

4ª Estamos perdidos!

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [1] | |


25/05/2016 09:39
Reprodução do Estadão online
Reprodução do Estadão online


Conforme nosso blog antecipou (às 00h06m), o ministro do STF, Teori Zavascki homologou a delação premiada do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. A questão agora é saber o que ele contou ao MPF, além, é claro, das gravações que fez com Romero Jucá, Renan Calheiros, José Sarney, e parece que também com o senador Edison Lobão (PMDB-MA). Mas o principal certamente está na descrição dos negócios do Petrolão. Em breve vamos saber quem foi atingido em cheio pela delação de Sérgio Machado, que diga-se de passagem, também tem ligação com Sérgio Cabral, embora a maior proximidade sempre foi com Renan Calheiros. Parece que o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) também está no rol dos que teriam sido citados pelo ex-presidente da Transpetro. Vamos aguardar para ver o tamanho do estrago, que já custou a cabeça de Romero Jucá (PMDB-RR) no governo Temer.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [1] | |


25/05/2016 08:32
Empresários esperam medidas para cortar gastos
Reprodução do Zero Hora, de Porto Alegre
Reprodução do Zero Hora, de Porto Alegre


Como era de se esperar o Congresso aprovou - por votação simbólica - a nova meta fiscal. Além disso ontem Michel Temer e o ministro Henrique Meirelles apresentaram as primeiras medidas econômicas estabelecendo que o governo não poderá aumentar seus gastos além da inflação do ano anterior. O mercado e os empresários receberam bem o anúncio, mas querem aguardar as medidas efetivas para o corte de gastos do governo. Temer desistiu, pelo menos por enquanto, da proposta da recriação da CPMF. De qualquer forma Temer deu o primeiro passo para reconquistar a confiança dos empresários. Podemos dizer que o início do governo Temer foi melhor na área econômica do que na política.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [0] | |


25/05/2016 00:06


O Ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, acaba de homologar a delação premiada de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro. Além de Romero Jucá, Machado gravou e entregou ao Ministro Público Federal conversas com José Sarney e Renan Calheiros. É nitroglicerina pura! E agora, com a homologação, elas passam a ter valor jurídico e servem como prova.




 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [5] | |


24/05/2016 18:09
Reprodução do Radar online, da Veja
Reprodução do Radar online, da Veja


Há certas coisas que eu acho engraçadas, servem para enganar trouxas. Eurasia Group é uma consultoria de avaliação de risco político das mais conceituadas no mundo com sede em Nova Iorque. Na avaliação da Eurasia há 20% de chances do Senado barrar o impeachment e 25% de probabilidades de - caso o impeachment seja aprovado - Michel Temer não conseguir completar o mandato. E tem empresários do mundo todo que pagam por esses boletins. Isso está parecendo mais a Bolsa de Apostas de Londres. E convenhamos que dizer que "os próximos três ou quatro meses serão cruciais" para o futuro do governo Temer é óbvio ululante como diria Nelson Rodrigues. Se nos próximos três ou quatro meses o governo Temer não conseguir apoio popular e dos empresários, com todo o respeito à Eurasia, aí a probabilidade de Temer não concluir mandato será muito maior do que os 25% do prognóstico atual.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [2] | |


24/05/2016 16:15
Reprodução do Brasil 247
Reprodução do Brasil 247


Na sua volta à tribuna do Senado, Romero Jucá disse que Michel Temer queria que ele continuasse como ministro apesar das gravações. E foi mais longe chamando as manifestações daqueles que cobraram sua cabeça de "atrasadas, irresponsáveis e babacas". Cada um diz o que quer conforme sua conveniência, mas é claro que Temer queria a sua saída, só não queria ter que demiti-lo. Ao propagar a versão de que Temer queria colocar "panos quentes" na situação cria-lhe mais um constrangimento.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [2] | |


24/05/2016 15:07
Reprodução da Época online
Reprodução da Época online


Está difícil Eduardo Paes conseguir convencer uma mulher que queira fazer dupla política com seu "queridinho" Pedro Paulo. E não é só por ser agressor de mulher. Na atual conjuntura só Eduardo Paes e meia-dúzia acreditam na viabilidade da candidatura de Pedro Paulo.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [4] | |


24/05/2016 13:46
Reprodução do Globo online
Reprodução do Globo online


Os leitores do blog sabem que eu venho dizendo há um bom tempo que se quiserem seguir o rastro do dinheiro de Eduardo Cunha no exterior o caminho passa pelo doleiro Lúcio Funaro. Investigadores da Lava Jato chegaram à conclusão que Funaro é o gestor financeiro de Eduardo Cunha. Sempre disse isso. O cerco a Funaro está se fechando e o MPF acredita que em breve fará delação premiada. Se falar Cunha passará longa temporada na prisão.


Publicado no Blog do Garotinho em 31/01/2016
Publicado no Blog do Garotinho em 31/01/2016


 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [3] | |


24/05/2016 12:31
Aécio Neves: abaixo transcrição de conversa entre Sérgio Machado e Romero Jucá
Aécio Neves: abaixo transcrição de conversa entre Sérgio Machado e Romero Jucá


Segundo o senador e agora ministro licenciado Romero Jucá (PMDB-RR) "caiu a ficha do PSDB" (em relação à Lava Jato). Segundo ele, "estão na bandeja para serem comidos" Aécio Neves, José Serra, Aloysio Nunes (senador por São Paulo) e Tasso Jereissati (senador do Ceará). O PSDB divulgou nota dizendo que os senadores não sofreram nenhuma acusação. De fato. Mas o teor da conversa, pelo conhecimento de causa dos dois personagens, indica que os tucanos também integram o "pacto" para travar a Lava Jato.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [7] | |


24/05/2016 11:27
Ministro Leonardo Picciani; abaixo reprodução do G1
Ministro Leonardo Picciani; abaixo reprodução do G1


Viram o currículo do novo secretário nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social? Vejam o nível! A secretaria é responsável por programas sociais esportivos para revelar novos atletas e promover a inclusão social. Os atletas, que já protestaram contra a escolha de Leonardo Picciani para ministro do Esporte, devem estar "adorando" a montagem da equipe ministerial. É o padrão PMDB-RJ.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [3] | |


24/05/2016 10:05
Eduardo Paes, Eike Batista e Sérgio Cabral em evento público e na visão de manifestantes em protesto contra Cabral (2013)
Eduardo Paes, Eike Batista e Sérgio Cabral em evento público e na visão de manifestantes em protesto contra Cabral (2013)


Segundo relatos de colunistas políticos Eike Batista estaria desesperado porque a Lava Jato vai investigá-lo depois que Mônica Moura, mulher do marqueteiro João Santana, contou na sua delação premiada que uma parte dos pagamentos pelas campanhas presidenciais do PT teria sido feita pelo empresário usando empresas do grupo EBX fazendo depósitos em contas no exterior. É inevitável que a Lava Jato vá rastrear esse dinheiro. Eike sabe que a investigação começa a puxar o fio da meada e logo vão surgindo outras coisas. Esse é o motivo de pânico de Sérgio Cabral, Eduardo Paes e a turma do PMDB-RJ. Eike Batista ajudou o PT, mas também deu muita força ao PMDB-RJ, principalmente a Cabral e Paes com quem fez grandes negócios.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [4] | |


24/05/2016 09:09
Renan Calheiros e José Sarney
Renan Calheiros e José Sarney


Além das conversas com Romero Jucá, o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado também gravou Renan Calheiros e José Sarney e entregou tudo à Procuradoria Geral da República para negociar sua delação premiada. O que Renan e Sarney dizem nas conversas ainda não se sabe, mas os comentários são que os diálogos seriam ainda mais comprometedores do que a conversa com Romero Jucá. Está claro que Sérgio Machado quis salvar o pescoço e conduziu as conversas no sentido de comprometer seus interlocutores. É aí que mora o perigo. Todo mundo sabe que as conversas com Renan e Sarney alguma hora também vão vazar. Se forem pelo mesmo caminho de "pacto" para abafar a Lava Jato, que é o que se comenta, vai crescer fortemente na opinião pública a leitura de que o afastamento da presidente Dilma foi um golpe, não contra ela, mas contra a Lava Jato. Se esse sentimento se consolidar o governo Temer estará perdido. Uma coisa é certa, neste momento o Palácio do Planalto e o PMDB estão em polvorosa.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [8] | |


24/05/2016 08:14
Reprodução da Veja online
Reprodução da Veja online


Eu antecipei aqui no blog que Michel Temer, devido à ligação umbilical com Romero Jucá, não teria condições de demiti-lo. E não deu outra. Jucá deixa o governo por uma solução montada para não constrangê-lo. Jucá pediu afastamento até que o Ministério Público se manifeste sobre as conversas gravadas, sobre se houve ou não crime, e Michel Temer aceitou o afastamento (vide a nota oficial abaixo). Não houve demissão, mas na prática todo mundo sabe que Jucá não voltará ao ministério. Com a decisão o governo espera ter estancado o desgaste, mas Temer perdeu a oportunidade de mostrar à sociedade uma posição implacável pela moralidade demitindo o ministro. É como um time que poderia ter ganho um jogo, mas preferiu jogar na defesa para garantir o empate.


Nota oficial do Palácio do Planalto
Nota oficial do Palácio do Planalto


 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [5] | |


23/05/2016 18:46
Reprodução da Agência Senado
Reprodução da Agência Senado


O presidente em exercício Michel Temer teve o dia de hoje virado pelo avesso. Planejava ser recebido festivamente no Congresso Nacional ao entregar pessoalmente a proposta do governo sobre as mudanças das metas fiscais, e, claro, aproveitaria a ocasião para falar à imprensa e passar uma mensagem de otimismo à sociedade, mostrando as intenções de resolver os problemas que estão paralisando o país. Seria uma ótima oportunidade para Temer aparecer positivamente. Seria, mas não foi. O escândalo das conversas gravadas do ministro Romero Jucá acabaram com o dia de Temer. Entrou no Congresso ouvindo gritos de "golpista" de parlamentares petistas, e diante do constrangimento do caso de Romero Jucá, não disse uma frase à imprensa, entrou mudo e saiu calado.

Irônico que Romero Jucá na coletiva da tarde quando anunciou que pediu licença do cargo de ministro disse que o fazia para não criar constrangimentos para o governo, afinal ele também é o presidente nacional do PMDB. Mas na hora de Temer entregar a proposta das metas fiscais a Renan Calheiros, Jucá fez questão de ficar ao lado de Temer, o que obviamente a esta altura foi um grande constrangimento.

Bem, é uma situação que só cria embaraços para o governo. Vamos à tese de Romero Jucá. Se licenciou até que o MP Federal diga se ele cometeu algum crime nas conversas gravadas. Ora, o MP Federal não é obrigado a dar uma resposta imediata só porque Jucá quer. E se demorar alguns dias, sei lá, mais de uma semana? Jucá vai ficar como ministro licenciado e Temer assistindo no gabinete sua imagem afundar? Sinceramente acho que haverá outro desfecho nas próximas horas. Jucá será pressionado a pedir demissão para preservar o governo Temer. Se não sair ou se Temer o tirar vai ficar muito ruim para o governo.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [3] | |


23/05/2016 17:39
Reprodução do Estadão online
Reprodução do Estadão online


Eu disse aqui que a ligação entre Michel Temer e Romero Jucá não permitia ao presidente em exercício simplesmente exonerá-lo. Temer queria que Jucá entregasse o cargo, mas o senador, matreiro, surpreendeu o Palácio do Planalto e deixou Temer numa sinuca de bico. Jucá anunciou que entra de licença como ministro do Planejamento e que vai aguardar um posicionamento do Ministério Público dizendo se ele cometeu ou não crime nas conversas gravadas. É mais uma situação inusitada no meio da crise política. Enquanto Jucá permanecer nessa situação de licenciado o governo Temer vai sangrar junto à sociedade. Neste momento o Palácio do Planalto deve estar usando todos os argumentos possíveis, todos os caciques do PMDB para convencer Jucá a deixar o cargo, senão ficará muito mal para Michel Temer.

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [3] | |


23/05/2016 17:00
Reprodução da Folha de S.Paulo
Reprodução da Folha de S.Paulo


Na sua justificativa à imprensa o ministro Romero Jucá disse que as conversas publicadas pela Folha de S.Paulo estavam fora de contexto, que se referia à economia, à situação do país, e não à Lava Jato. Agora os áudios comprovam que toda a trama dizia respeito à Lava Jato.


Clique aqui e ouça os áudios acompanhando com as transcrições das conversas

 |   Compartilhar no Twitter  |    Comente [1] | |


PrimeiroAnterior1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 ProximoUltimo

Facebook


Twitter


Vídeos

Busca
Histórico
Links
Todos os Direitos Reservado
Fotos Anthony Garotinho