O apresentador de televisão Luciano Huck parece ser um bom rapaz, preocupado com as causas sociais, mas precisa entender que o fato de ser famoso e artista da TV Globo não lhe dá direitos maiores, que aqueles concedidos a todos os brasileiros.

Construiu uma mansão de vários milhões em Angra dos Reis. “Ah! Ele tem dinheiro. Ele pode”, certamente, alguns dirão. A questão não é essa. O problema é que Luciano Huck ignorou completamente a legislação e construiu sua mansão em área proibida, de proteção ambiental. Errou. Ainda mais ele, que tanto apresenta reportagens sobre a preservação da natureza.

Por isso está tendo problemas com o Ministério Público. Huck diz que tem autorização para construir. De fato, hoje, tem. Mas não tinha quando a construção foi levantada.

Huck, através de seu amigo Aécio Neves, foi apresentado a Cabral. Logo depois contratou o escritório de advocacia da mulher do governador, Adriana Ancelmo Cabral. Logo em seguida, as portas da esperança – opa, isso é do Silvio Santos – se abriram. Como não havia jeito de legalizar a mansão de Huck, porque a legislação não permitia, Cabral deu-lhe um presentão de “pai pra filho”. Assinou um decreto autorizando a construção de mansões em área de proteção ambiental de Angra e da baía da Ilha Grande. Isso que é “prestígio”!

O decreto é tão estapafúrdio, e todos sabem que foi feito para beneficiar o apresentador, que os ambientalistas logo o apelidaram de “Decreto Luciano Huck”. É com base nisso, que os advogados dizem que a mansão está autorizada.

Moral da história: contrate o escritório da mulher de Cabral que “os seus problemas acabaram” e não se trata das “Organizações Tabajara”, mas sim das “Organizações Cabral”.