O jornal Folha da Manhã, no blog de um de seus proprietários, Cristiano Abreu enveredou por um caminho perigoso do jornalismo: falsificar documentos públicos. Para tentar provar que o cadastro de IPTU da Prefeitura de Campos apresentaria inconsistências, o proprietário do jornal usou a seguinte manobra, emitiu uma segunda via do IPTU de seu imóvel através do site da prefeitura e mostrou que o valor da segunda via era diferente do valor que consta no carnê que recebeu. Acontece que o secretário de Fazenda do município, Walter Jobe descobriu que o documento apresentado no blog era fruto de uma montagem de dois carnês, um pertencente a Rafael da Silva Abreu e outro a Giverny Empreendimentos Imobiliários Limitada. Os valores são diferentes porque as metragens nos referidos terrenos, um ao lado do outro, são diferentes.

Até para fazer crítica deve se observar o critério da verdade. É muito feio falsificar documentos públicos a fim de tentar induzir a população a erro. Além de anti-ético, o ato de um dos donos da Folha da Manhã é criminoso e não resta à Prefeitura através de sua Procuradoria denunciá-lo ao Ministério Público por crime contra a administração pública.