Demóstenes Torres, Carlinhos Cachoeira e Sérgio Cabral na versão do Kibe Loco; abaixo o cartaz original do filme Paraísos Artificiais
Demóstenes Torres, Carlinhos Cachoeira e Sérgio Cabral na versão do Kibe Loco; abaixo o cartaz original do filme Paraísos Artificiais



A turma do Kibe Loco (site de humor) também não perdoou Cabral e fez uma sátira, em cima do cartaz do filme Paraísos Artificiais. Aliás, um curiosidade. Está aí mais um caso de mau uso do dinheiro público. O filme é passado no Nordeste, mas a secretaria de Cultura de Cabral bancou uma parte do patrocínio. Deve ser porque é uma história de “sexo, drogas e música eletrônica” bem ao gosto da turma de Cabral e Paes, que embora gostem de paraísos fiscais, querem transformar o Rio num paraíso artificial.

No final o feitiço virou-se contra o feiticeiro. Cabral ajudou a bancar o filme e acabou virando personagem involuntário da sátira do Kibe Loco em cima do cartaz promocional.