Reprodução do Lance!Net
Reprodução do Lance!Net



É um vexame para o Rio de Janeiro. Mas, infelizmente é assim que as coisas vinham funcionando no Rio de Janeiro, onde o governador Sérgio Cabral se acostumou a passar por cima da lei, e não ser cobrado por nenhuma das instituições a quem cabe esse papel constitucional de fiscalização e garantia constitucional.

Cabral se acostumou com o MP Estadual a seus pés. Mas isso mudou com a posse no início do ano, do novo Procurador Geral de Justiça do Estado, Marfan Martins Vieira, que zela pela autonomia e pelo cumprimento do papel constitucional do Ministério Público, com independência, sem ser subalterno.

É o cúmulo da irresponsabilidade um jogo ser liberado sem laudo de segurança. Os principais sites de notícias publicam hoje galerias de fotos mostrando que o entorno do Maracanã é um imenso canteiro de obras.

O MP Estadual está de parabéns. Cumpriu o seu papel, que não é, o de apenas buscar culpados depois que acontecem atos de improbidade, lesivos à sociedade ou tragédias. Um Ministério Público atuante também age de forma pró-ativa, tentando evitar danos ou a consumação de atos ilegais, ou que ponham em risco as pessoas.

Não tenho a menor dúvida de que o governo Cabral já fabricou a esta hora um laudo de segurança. Também estou certo que o Tribunal de Justiça do Rio vai cassar essa liminar. Aliás, leiam três notas abaixo a notícia sobre minha filha Clarissa Garotinho, que vai questionar junto ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça) as decisões do TJ - RJ favoráveis ao governo do Estado, e que envolvem justamente o Maracanã.

A verdade é que mesmo que cassem a liminar, e vão cassar, uma coisa é certa, o MP Estadual está de parabéns por sua coragem e atitude, que honram o que se espera da instituição. Se alguma coisa der errado no amistoso por falta de segurança ninguém poderá culpar o Ministério Público de omissão. Que assuma a responsabilidade quem porventura, na hipótese de não serem observadas todas as normas de segurança, autorizar a realização do amistoso.