Visitantes online: 2670
logo topo

quinta-feira, 25 de maio de 2017

13/05/2017

14:35

Ai que saudades dos operadores de papai

Reprodução do Radar online, da Veja
Reprodução do Radar online, da Veja

Marco Antonio Cabral, o filho mais velho de Sérgio Cabral, não pode se queixar do salário, como a imensa maioria dos brasileiros. Como deputado federal ganha R$ 33.700, além da verba mensal de mais de R$ 35.700 para gastos com combustível, alimentação, passagens aéreas e hospedagens. Mas se acostumou com uma vida de luxos, com os operadores de papai pagando todas as suas contas, como eram os casos do Avestruz, Luiz Carlos Bezerra, Pedro Miranda, o "faz tudo" da família Cabral, além do Kiko (ex-subsecretário de Comunicação Social), que disse ter repassado R$ 7 milhões das agência de publicidade para Marco Antonio. Agora a realidade é outra. Por isso foi pegar empréstimo no banco.

13/05/2017

12:41

Ministro Luís Roberto Barroso tem razão

Reprodução do Globo online
Reprodução do Globo online

A corrupção não é uma mazela apenas do Brasil, nem um fenômeno recente. Sempre houve e sempre haverá corrupção em qualquer país. A diferença no nosso caso é que a impunidade transformou a corrupção numa epidemia, que juntando ao espírito malandro tupiniquim de querer levar vantagem sobre outros, ser mais esperto, criou essa nova classe social, muito bem definida pelo ministro do STF, Luís Roberto Barroso, os "ricos delinquentes". O assalto aos cofres públicos, por conta da impunidade, foi crescendo, crescendo, se multiplicando a ponto de termos hoje os "ricos delinquentes", e eu vou mais longe, criou também os "milionários delinquentes". Os maiores exemplos aqui no Rio de Janeiro são Sérgio Cabral, Eduardo Cunha e a quadrilha do PMDB. Mas há que reconhecer que essa nova classe surgiu porque a corrupção contaminou setores de outros poderes e instituições.

13/05/2017

10:22

Lula, o triplex e a percepção popular

Reprodução do Radar online, da Veja
Reprodução do Radar online, da Veja

Não me surpreende nada que 59% das pessoas, segundo o Paraná Pesquisas, ache que o triplex do Guarujá é mesmo de Lula. Surpresa maior é esse índice não ser maior, afinal a mídia já decretou que o triplex é de Lula. A questão é que um processo judicial precisa ter provas, não apenas indícios. Cabe ao MPF provar, afinal é com a materialidade que o juiz tem que julgar, não com o que a mídia decide.

12/05/2017

15:35

Bancada federal do Rio de Janeiro é mesmo muito fraca

Reprodução de O Dia
Reprodução de O Dia

No domingo passado eu falei de como a composição da atual bancada de deputados federais do Rio de Janeiro, composta por 46 parlamentares, é fraca, como a atuação é apagada e sem defender os interesses do nosso estado.

Pois vejam como tenho razão. Essa manchete aí de cima é do final de semana passado. Foi anunciado que a bancada iria entrar com tudo, pressionando Michel Temer, para rever as alterações feitas na distribuição dos royalties, que prejudicaram ainda mais o Rio de Janeiro. Agora perguntem o que os deputados fizeram? Ora, nada, absolutamente nada.

E querem outra? A bancada federal do Rio ficou de na quarta-feira, anteontem, entregar ao Procurador Geral da República, Rodrigo Janot um pedido de intervenção federal na Saúde e na Segurança do Rio. Isso foi amplamente noticiado. Sabem o que aconteceu? Mias uma vez nada. Nem falam mais nisso. É desanimador!

12/05/2017

13:45

Governo Temer: um ano de tragédia

Reprodução da Folha de S.Paulo
Reprodução da Folha de S.Paulo

Em um ano, Temer conseguiu a façanha de só ter aprovação de 8%, enquanto 85% querem que ele saia e sejam convocadas novas eleições. Só isso já mostra o que foi um ano de Temer. Mas assim mesmo, o presidente vai destacar hoje em vídeo nas redes sociais o que ele chama de "conquistas". Ele vai destacar a melhora dos indicadores econômicos, como a queda da inflação e da taxa de juros, e o retorno dos investimentos, com a retomada dos leilões na área de infraestrutura. O presidente também vai citar as reformas do ensino médio, a aprovação de um teto para os gastos públicos e pedirá empenho na aprovação das reformas trabalhista e da Previdência. Argumentará que somente com ajustes na CLT e no sistema previdenciário o emprego voltará a crescer. O mote do seu pronunciamento é: “Um ano de coragem, trabalho e avanços”.

Para Temer tudo está avançando, até a economia. Já a população sofre a cada dia mais com o desemprego. É uma tragédia, sustentada pelo jogo de interesses no Congresso, pelo "toma lá, dá cá", enquanto promove o massacre dos direitos de trabalhadores e aposentados, ao mesmo tempo em que seu ministério se atola em denúncias de corrupção. Não é à toa que a maioria dos brasileiros acha o governo Temer igual ou pior que o de Dilma.

12/05/2017

11:55

Encontro Marcado com Garotinho (Sexta - 12/05)

12/05/2017

09:16

Fala Garotinho - 12 de Maio de 2017

12/05/2017

07:57

Sumiu o "Livro do Cabral"

Reprodução do Globo
Reprodução do Globo

No presídio de Bangu 8 o livro de visitas é conhecido pelos agentes penitenciários como "Livro do Cabral", isso por causa da quantidade de visitantes que o ex-governador recebe. Pois, não é que arrancaram duas páginas do "Livro do Cabral", que registraram as visitas do dia 31 de janeiro. Quem terá visitado Cabral que querem esconder? Pezão não foi, afinal o governador, que até já visitou seu antigo chefe, não tem o nome registrado no livro. Obviamente estão querendo esconder abafar algum ou alguns visitantes "especiais". É mais uma prova de que Cabral continua fazendo uma farra em Bangu 8, com direito a todas as regalias.

Por esse motivo o promotor André Guilherme, que atua na Vara de Execuções Penais quer que Cabral seja transferido de Bangu 8 para um presídio federal fora do estado. Alguém precisa acabar com a farra de Cabral em Bangu 8.





11/05/2017

17:50

A Globo, a Justiça e o Ministério Público

Ciente das pesquisas internas que apontam o meu nome disparado na preferência do eleitorado fluminense para o Governo do Estado, e de Rosinha para o Senado, as “Organizações”, como gostam de ser chamados os veículos da Globo acionaram imediatamente seus aliados dentro das instituições que passaram oito anos sem ver nada no governo Cabral. Afinal o Globo, como mostramos há dias, tem horror a políticos que tenham opção pelos trabalhadores.

Capa do Globo (1962) atacando a criação do 13º salário
Capa do Globo (1962) atacando a criação do 13º salário



Vejam que coisa interessante. Hoje fui informado do acórdão que condenou a ex-governadora Rosinha na 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio. Não pensem que estou delirando. Os fatos que vou narrar abaixo são reais.

No ano de 2004 o Globo vinha movendo uma campanha covarde contra quatro programas do governo estadual: Restaurante Popular, Farmácia Popular, Cheque Cidadão e Emergência em Casa. Diante da campanha indecente movida pelas Organizações Globo contra os programas sociais do governo Rosinha, e após a publicação de um editorial com o título “Além dos limites”, o Governo do Estado, de forma institucional, publicou uma nota oficial esclarecendo a população sobre a real importância dos programas para a população trabalhadora do nosso estado. Acreditem, o Ministério Público Estadual entrou na Justiça pedindo que a então governadora Rosinha Garotinho e seu secretário de Comunicação, Ricardo Bruno fossem condenados a perda dos direitos políticos, por, segundo eles, usar o dinheiro público para atacar a credibilidade do jornal O Globo. Em primeira instância, o juiz deu ganho de causa ao governo estadual, rejeitando a proposta do MP Estadual por acha-la totalmente descabida. Não satisfeito, o MP Estadual que devia defender os programas sociais recorre contra a decisão de primeira instância, e então consegue, 13 anos depois, a condenação provisória (cabe recurso) contra a ex-governadora e seu secretário de Comunicação.

Leiam os senhores e percebam alguns detalhes. Em momento algum há promoção pessoal da governadora ou do secretário, a nota é assinada pelo Governo do Estado. O ataque ao Globo, que o MP Estadual considera que houve é a simples reprodução do Código de Ética do próprio jornal, que é reproduzido na nota do Governo do Estado, que destaca em uma das partes, que “o jornal tem a obrigação de respeitar o direito de defesa dos acusados”.

“O GLOBO ALÉM DOS LIMITES
Diante da linha editorial agressiva do GLOBO, o Governo do Estado do Rio de Janeiro tem agido no estrito respeito à liturgia imposta pela conveniência democrática de opiniões divergentes sobre políticas públicas. Mas o editorial "Além dos limites", publicado pelo jornal na edição de ontem, transpõe a fronteira da crítica e avança sobre o terreno da injúria e da torpeza. Faz pior: na sua pretensão de açoite definitivo, exala desprezo pela instituição do voto, cheira a cacoete golpista, recende a sabujice intervencionista.
A indignação do governo frente à agressão tão desproporcional impõe uma resposta, em respeito aos leitores do GLOBO e à população do Estado:
• O governo não autoriza o uso político-eleitoral de seus programas sociais, mas não vai suspendê-los, em prejuízo da população carente, apenas porque parecem ofender uma elite que se mantém à custa da exclusão de milhares de cidadãos.
• Os programas que essa mesma elite desqualifica e chama de clientelistas são, na verdade, instrumentos urgentes, legítimos e necessários de inclusão social e de distribuição de renda, amplamente apoiados pelos cidadãos que deles se beneficiam, como demonstram pesquisas de opinião feitas com os usuários. Em recente consulta feita pelo lbope, o Restaurante Popular teve 90% de aprovação e a Farmácia Popular e o Emergência em Casa obtiveram 88%.
• Democracia não se faz com a preservação de privilégios das elites e do chamado quarto poder — a imprensa que as representa. Democracia se faz com direitos iguais — desde os mais fundamentais, como alimentação, medicamento, casa própria — para todos os cidadãos, inclusive para os que não lêem os jornais.
• Essa parte da imprensa cinicamente "chocada" com o que chama de clientelismo, a ponto de mover campanhas e publicar editoriais com senhas golpistas, é a mesma que silenciou, se omitiu e apoiou as maiores barbaridades cometidas neste país contra a democracia, durante a ditadura militar. É a mesma que se habituou a fazer da manipulação da informação instrumento de poder e de sustentação da classe dominante.
• Porque apoiou a ditadura militar, O GLOBO silenciou sobre os abusos cometidos naquela época. Porque apoiava Fernando Collor, forjou a sua imagem e mentiu para a opinião pública. Porque não apóia o governo do estado, falseia os fatos: superdimensiona notícias negativas, engendra acusações sem provas, acolhe fontes sem legitimidade. Quando julga necessário, mente, como demonstra a sua seção de cartas, na mesma página do editorial, em que o candidato a prefeito de Niterói que tem apoio do governo do estado revela que uma declaração sua contra o PT foi distorcida e publicada como se ele tivesse dirigido à governadora.
• As manipulações grosseiras dos fatos e as sentenças antecipadas à revelia da Justiça também não contribuem para a saúde da democracia que o GLOBO alega defender. O jornal vai além dos limites da lassidão ética quando rasga o seu próprio Manual de Redação para sustentar campanha contra o governo do estado. Elaborado para pautar o comportamento ético de seus repórteres e editores, o manual proíbe acusações sem provas, veta a reprodução de denúncias feitas por adversários interessados, proclama o inalienável direito de defesa dos acusados e estabelece limites que o jornal, a pretexto de contribuir para a democracia decidiu agredir.
• A simples reprodução de três itens do Manual de Redação do GLOBO é a melhor crítica que se pode fazer à atitude do jornal:
"Como não há denúncias gratuitas — e poucas são inocentes — a mais salutar atitude em face do denunciante, para começo de conversa, é a desconfiança, que deve presidir o exame: 1) da credibilidade de quem denuncia; 2) da verossimilhança do que ele conta; 3) das vantagens ou do prazer que lhe dará a publicação das acusações".
"Quase toda denúncia está associada a um interesse ostensivo, ou oculto, de quem denuncia. Mesmo sendo um interesse legítimo, isso é suficiente para pôr a informação sob suspeita e exigir do jornal cuidados na sua divulgação — principalmente porque, como já foi dito, dar o nome de quem acusa não elimina a responsabilidade de quem divulga a acusação."
"Valem em relação às denúncias do jornal a obrigação de respeitar o direito de defesa dos acusados e comprovar a denúncia de todas as formas possíveis. É norma elementar de cautela não divulgar acusação à qual falte comprovação fornecida por pelo menos duas fontes independentes. Investigar é descobrir verdades, o que vai muito além de colecionar queixas e acusações".
• Até quando O GLOBO vai ignorar o seu próprio código de ética?
GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO”

Publicado em 23/10/2004
Fls. 5, do Jornal O Globo


Objeto da ação: o Réu RICARDO BRUNO, ex-Secretário de Estado de Comunicação Social do Estado do Rio de Janeiro, agindo com a conivência da então Chefe do Governo do Estado do Rio de Janeiro, a Ré ROSÂNGELA ROSINHA GAROTINHO BARROS ASSED MATHEUS DE OLIVEIRA, determinou a publicação, às custas dos cofres estaduais, de "informe publicitário" desprovido de "caráter educativo, informativo ou de orientação social", com o intuito de atacar a credibilidade de um órgão de imprensa que criticava o uso eleitoral dos programas assistenciais do governo.


Bem, sobre o Globo os leitores deste blog sabem muito bem o que eu penso.

Também hoje, a Procuradoria Regional Eleitoral me envia ofício, informando que pretende instaurar “procedimento preparatório eleitoral” a fim de apurar propaganda eleitoral antecipada, que teria sido feita no meu programa da Rádio Tupi, Fala Garotinho, no dia 2 de maio, alegando que ouvintes teriam pedido a minha volta ao Governo do Estado, e que eu, em algum momento do programa, falei das realizações que fiz como governador.

Gostaria de esclarecer alguns fatos.

1 – Nunca disse que sou candidato a governador ou a cargo algum.

2 – Também não posso impedir que diante da catástrofe dos governos Sérgio Cabral / Pezão, as pessoas espontaneamente, mesmo à revelia da minha vontade, querem que eu me candidate.

3 – A lei eleitoral é clara: “Não constitui propaganda eleitoral antecipada a divulgação de realizações passadas, desde que não haja pedido explícito de voto, inclusive indicando o cargo a que pretende concorrer”.

4 – Ora, comentar num programa que eu fiz o saneamento do Jardim Catarina, em São Gonçalo, ou comentar com ouvinte, que estou triste com o fechamento dos Restaurantes Populares, ou ainda lamentar o abandono das Delegacias Legais, não constitui crime algum, nem há previsão legal para isso.

Entendo o sentimento hoje predominante nas Organizações Globo. Querem justificar a qualquer custo a “cegueira” que tiveram durante o governo Cabral. Não viram a roubalheira de Sérgio Côrtes na Saúde. Não viram as obras superfaturadas do Maracanã, do Metrô, do Arco Rodoviário, do PAC das Favelas. Não viram as viagens constantes do governador a Miami, Nova Iorque, Londres, Paris, e muito menos o vertiginoso enriquecimento da quadrilha que assaltou o Estado.

O Globo e seus aliados de sempre estão preocupados com uma nota oficial que o Governo Rosinha em 2004 e com o apelo de um ouvinte da Rádio Tupi para que eu seja candidato a governador. A situação é tão patética que eu, diante dos fatos, só posso agradecer a audiência dos procuradores do Ministério Público e dos jornalistas da Globo, que se somam aos 287 mil ouvintes por minuto, que o meu programa alcançou no mês abril, segundo a pesquisa divulgada há dois dias pelo IBOPE.

Mas quero tranquilizar ao Globo e seus aliados históricos contra os trabalhadores. Estou cuidando da minha vida profissional, e embora todos os meus direitos políticos estejam preservados e me garantam uma candidatura ao Governo do Estado ou a qualquer cargo, não parei nos últimos meses nem para conversar sobre esse assunto. Portanto, o Globo e seus aliados de sempre deveriam se preocupar com coisas mais importantes, como, por exemplo, descobrir como Adriana Ancelmo, a ex-primeira-dama do Estado, mesmo presa em Bangu e com as contas bloqueadas, conseguiu sacar R$ 1,2 milhão, segundo ela para suas despesas familiares.

Ah, ia me esquecendo. Semana passada, uma missão do MP da França esteve no Rio investigando a compra dos votos para que o Rio de Janeiro sediasse as Olimpíadas. Entre os muitos possíveis envolvidos está a TV Globo. Bem, mais isso os veículos da Globo não vão noticiar.

11/05/2017

17:24

Um indicador econômico que joga por terra o discurso de Temer sobre o fim da crise

Reprodução da Veja online
Reprodução da Veja online

A queda nas vendas do varejo em março registrou o maior recuo no setor de supermercados e nos produtos alimentícios. Quando os gastos com alimentação caem é um sinal óbvio de que a crise está longe de terminar. Todo mundo sabe que a alimentação é a última coisa que as famílias cortam em época de pouco dinheiro. E depois Michel Temer e o ministro Henrique Meirelles querem nos convencer de que a crise está "começando a terminar", como disse o presidente na semana passada. Aliás, esse é discurso vazio, as pessoas sentem a crise no bolso, não adianta contar histórias da carochinha.

11/05/2017

16:05

A dieta de Cabral em Bangu 8

Reprodução da Coluna do Estadão
Reprodução da Coluna do Estadão

Em seis meses, Cabral perdeu 36 quilos. Bem, de fato no seu depoimento ao juiz Sérgio Moro era visível a perda de peso e abatimento do ex-governador. Mas estejam certos que a perda de peso não se deve à alimentação servida aos presos de Bangu 8. Já foi amplamente noticiado que Cabral, assim como acontecia com Adriana Ancelmo na temporada que passou no presídio, não come as quentinhas servidas aos demais presos. Recebe comida de fora, de restaurantes, além de pagar para a cantina lhe preparar pratos especiais, como picanha e camarão.

11/05/2017

14:42

O projeto de recuperação fiscal dos estados e a realidade do Rio

Reprodução do Extra
Reprodução do Extra

A mídia do Rio de Janeiro vem abordando a aprovação do projeto de ajuda aos estados endividados, que passou ontem na Câmara, como a solução imediata para o problema dos atrasos nos salários. É desinformação e maldade com os servidores, que criam falsas expectativas. Nas matérias de hoje reproduzem até uma declaração mentirosa de Pezão, que foi divulgada via assessoria. Diz o governador: "O Plano possibilita que terminem os arrestos, os bloqueios e que façamos a operação de crédito prevista". Bem, vamos novamente aos fatos.

O projeto agora vai para o Senado e depois à sanção do presidente Michel Temer. A imprensa dá como certo que já na terça-feira tudo será aprovado, o mesmo que fez com relação à tramitação na Câmara quando dizia que em uma semana deveria ser aprovado e levou três meses. Mas mesmo que seja aprovado e sancionado na próxima semana, para o Rio assinar o acordo de ajuda é preciso primeiro que a ALERJ aprove o aumento da contribuição previdenciária de 11% para 14%, além do projeto que proíbe reajustes salariais por três anos. Será mais uma guerra para aprová-los.

E só depois disso começarão os trâmites burocráticos para o empréstimo de R$ 3,5 bilhões junto aos bancos. Ou seja, antes de julho não chega esse dinheiro. Hoje, Pezão deve só em salários e 13º e gratificações atrasadas em torno de R$ 5 bilhões. Logo, arrestos e bloqueios vão continuar para desespero do funcionalismo estadual.


11/05/2017

13:33

As considerações finais de Lula, que a mídia não mostrou

Não deixem de assistir as considerações finais de Lula no depoimento de ontem ao juiz Sérgio Moro, que a mídia só mostrou um trecho mínimo. São 19 minutos onde Lula, faz um discurso político, que praticamente impôs ao juiz Moro, mas onde cobra as provas de que o triplex do Guarujá lhe pertence.

Todos vocês conhecem minhas diferenças políticas com Lula, que me perseguiu e a Rosinha, mas nesse processo específico, o MPF não conseguiu provar que triplex é dele. Isso para mim ficou bem claro. E ressalto isso por uma questão de coerência. Não adianta a mídia condenar Lula, como aliás já fez comigo, é preciso haver provas no processo para que isso aconteça.



11/05/2017

11:55

Encontro Marcado com Garotinho (Quinta - 11/05)

11/05/2017

09:00

Fala Garotinho - 11 de Maio de 2017

11/05/2017

07:56

Adriana Ancelmo movimentou dinheiro de conta bloqueada enquanto estava em Bangu

Reprodução da Folha de S.Paulo
Reprodução da Folha de S.Paulo

Essa é muito boa. O Ministério Público Federal descobriu que enquanto estava presa em Bangu, Adriana Ancelmo movimentou R$ 1,2 milhão de uma conta no banco Itaú, que a Justiça bloqueou. Mas ontem, diante do juiz Marcelo Bretas, a mulher de Cabral garantiu que não colocou a mão no dinheiro, que o montante foi usado para pagar advogados de defesa e despesas do seu escritório. Bem, só faltava mesmo terem levado dinheiro em espécie para Bangu. Se bem que diante de tudo o que já foi relatada sobre a entrada no presídio de comida de restaurantes e visitas sem serem revistadas tudo é possível. Adriana culpou o banco, mas o MPF vai pedir que ela perca direito a prisão domiciliar e seja levada de volta para Bangu. É muita cara de pau.

PrimeiroAnterior1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 ProximoUltimo