Visitantes online: 1389
logo topo

quarta-feira, 26 de abril de 2017

09/04/2017

13:01

Contagem regressiva para Pezão

Reprodução do Globo
Reprodução do Globo

O jornal O Globo publica hoje matéria mostrando que "três homens de confiança de Pezão já caíram na Lava Jato". São eles: Hudson Braga, o Braguinha, preso em Bangu 8; Affonso Monnerat, secretário de Governo, que responde por improbidade administrativa por desvio de verbas na reconstrução da região serrana; e Marcelo Santos Amorim, o Marcelinho, subsecretário de Comunicação Social, casado com a filha de criação de Pezão. Até aí nenhuma novidade.

É bom frisar que há vários anos sustento aqui no blog que Braguinha é o "homem da mala" de Pezão. A imprensa e até o Ministério Público Federal, na primeira denúncia da Operação Calicute (vide abaixo), relacionavam o ex-secretário de Obras a Cabral, mas a ligação direta de Braguinha sempre foi com Pezão, de quem foi subsecretário quando o então vice-governador de Cabral também acumulava a secretaria de Obras. Agora está ficando claro para todos que eu tinha razão.

Mas não são só esses três os homens de confiança de Pezão atingidos pelas operações do MPF e da PF. Tem mais dois que não se pode esquecer. Luiz Paulo Reis e Wagner Jordão Garcia, que também estão presos em Bangu 8, eram os "apanhadores do campo de dinheiro". Eles eram ligados a Pezão e Hudson Braga na secretaria de Obras, cabia eles irem em campo pegar os pacotes de dinheiro das propinas.

Em meio a tudo isso, Pezão decidiu manter nos cargos Marcelinho e Affonso Monnerat, conduzidos coercitivamente na Operação O Quinto do Ouro: "Tenho muita confiança neles (Marcelinho e Monnerat) e vão continuar a trabalhar".

Pezão já é acusado de ter usado R$ 900 mil de propinas em gastos pessoais, dinheiro arrecadado por Marcelinho, tratado como genro do governador, junto a empresários que fornecem alimentação aos presídios. Aliás, já falei aqui sobre isso, nunca vi um subsecretário de Comunicação Social cuidar de alimentação dos presos. Só no Rio de Janeiro de Cabral e Pezão, onde aconteceu o inimaginável, uma versão do "realismo mágico" de Gabriel García Márquez.

Mas o fato é que já começou a contagem regressiva, Pezão fará companhia a Cabral, seu mentor, em breve, afinal o MPF e a PF já chegaram aos seus esquemas, estão "comendo pelas beiradas", primeiro indo em cima dos seus homens de confiança e operadores. É uma questão de tempo, e não demorará muito, podem apostar.

Reprodução da denúncia do MPF
Reprodução da denúncia do MPF


09/04/2017

09:45

Garotinho na Folha de S.Paulo

Reprodução da Folha de S.Paulo
Reprodução da Folha de S.Paulo

.

08/04/2017

15:32

Rio de Janeiro, uma cidade acuada pela violência

Entrevista terminou por medo de roubo do celular

Coronel Erir Ribeiro
Coronel Erir Ribeiro

Ouçam abaixo o áudio de um trecho da entrevista, dada à Rádio Bandnews, pelo secretário estadual de Administração Penitenciária, coronel Erir Ribeiro. Ele estava na rua, falando pelo celular. Reparem que ele está falando da situação de Cabral e Adriana Ancelmo em Bangu 8. A entrevista foi encerrada rapidamente porque o coronel Erir, disse três vezes, estava no meio da rua e temia ser assaltado e seu celular levado. E estamos falando de um coronel da PM, que é secretário de Administração Penitenciária, ou seja, anda com segurança. Se ele tem medo de falar no celular no meio da rua, imagina nós. Mas ele não está errado. A situação da violência, agravada pela falta de policiamento, devido à falta de dinheiro até para o combustível das viaturas, chegou a um ponto que as pessoas têm medo até de falar no celular quando estão na rua. É o retrato do medo que tomou conta de quem vive no Rio de Janeiro. Que tristeza!

Clique aqui para escutar!


08/04/2017

13:33

Bate Papo com Garotinho sobre crise do Rio, reforma da Previdência e a política nacional



08/04/2017

12:01

O pior cego é aquele que não quer ver

Reprodução da Folha de S.Paulo
Reprodução da Folha de S.Paulo

Me impressionou a falta de modéstia do presidente Michel Temer em entrevista concedida à Folha de S.Paulo. "Cometi acertos. E acertos derivados de muita coragem. Não creio que tenha praticado nenhum erro", afirmou o presidente. Um homem de coragem, que nunca comete erros, é assim que Temer se vê. Parece que está faltando espelho no Palácio do Jaburu, atual residência oficial do presidente. Afinal as pesquisas mostram que a esmagadora maioria dos brasileiros vê Temer com outros olhos, 70% reprovam seu governo, com apenas 10% de aprovação, chegando ao mesmo patamar de Dilma próximo ao impeachment. Temer acha que está acima do bem e do mal, aliás, é mais um entre tantos erros cometidos desde que assumiu a Presidência, a começar pela escolha dos seus ministros, alguns até já ficaram pelo meio do caminho, como, por exemplo, Romero Jucá e Geddel Vieria Lima.

08/04/2017

11:07

Não foi só Cabral que comprou joias para lavar dinheiro das propinas

Não foi apenas Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo que compraram joias na H.Stern com dinheiro das propinas. Outros figurões do grupo político do ex-governador também seguiram o caminho do ouro e das pedras preciosas. Por isso estão apreensivos com a delação premiada dos herdeiros e executivos da H.Stern. Outros nomes podem surgir. Vamos aguardar.

07/04/2017

17:12

Conselheiros vão ser soltos, mas ficarão afastados do TCE por 6 meses

Reprodução do G1
Reprodução do G1

Na prática hoje é o último dia da prisão temporária, que não pode ser prorrogada. A decisão tem efeito imediato, mas ainda será apreciada pelo plenário do STJ, que pode confirmar ou revogar a decisão.

07/04/2017

16:38

Será que o impeachment de Pezão agora vai?

Reprodução do Extra online
Reprodução do Extra online

O presidente da ALERJ, Jorge Picciani já conversou com presidente do TJ, desembargador Milton Fernandes de Souza sobre o trâmite do impeachment. Aliados de Pezão começam a admitir o impeachment. E o secretário estadual de Fazenda, Gustavo Barbosa jogou gasolina no incêndio ao culpar a Assembleia Legislativa - por não ter aprovado a íntegra do pacote de maldades do governador - pela calamidade financeira que o Estado vive. A reação dos parlamentares foi a pior possível. Daí a que o impeachment se materialize há uma longa distância. Pode até acontecer, mas muita água ainda vai ter que rolar. A única coisa certa é que a situação do Rio de Janeiro é insustentável por mais tempo. Se não houver uma solução rápida teremos uma convulsão social. Há muito tempo que venho avisando.

07/04/2017

14:55

A candidatura de Lula

Reprodução do Brasil 247
Reprodução do Brasil 247

A avaliação do PMDB de Renan e Sarney é a mesma que eu já coloquei aqui no blog. Como lhes mostrei, uma eventual condenação de Lula por Sérgio Moro não inviabiliza a sua candidatura por ser em primeira instância. Só se for condenado em instância superior, por colegiado, é que ficaria inelegível. Pelos trâmites judiciais, pelos recursos possíveis, é pouco provável que o caso seja definido até a eleição de 2018. E é bom lembrar que Lula lidera nas pesquisas eleitorais. Mas é claro que uma eventual condenação por Moro fará um estrago no capital eleitoral do ex-presidente.

07/04/2017

13:27

A imagem da desolação

Deputado Pedro Paulo e Pezão no plenário da Câmara
Deputado Pedro Paulo e Pezão no plenário da Câmara

A situação do Rio de Janeiro é caótica, isso todo mundo sabe. Mas convenhamos que os principais negociadores do projeto de ajuda fiscal não colaboram. Pezão fazer plantão no plenário da Câmara dos Deputados não adianta nada, afinal está desmoralizado, é ignorado até pelos deputados da bancada fluminense. E o relator do projeto, deputado Pedro Paulo (PMDB) também não colabora em nada. Até o Palácio do Planalto credita à sua inépcia o fato de na votação da terceirização 12 parlamentares do PMDB não terem dado as caras. É que o Líder estava viajando à China e Pedro Paulo assumiu a liderança. Por isso a votação da ajuda fiscal vem sendo adiada sucessivamente, agora passou para terça-feira.

07/04/2017

12:04

Temer recua porque projeto original da reforma da Previdência não tem chance de passar

Reprodução do Estadão
Reprodução do Estadão

É uma questão de números. Para a reforma ser aprovada são necessários 308 votos, ou seja, no máximo 205 deputados podem votar contra. Acontece que levantamento feito pelo Estadão revela que há 256 votos contrários, inclusive com um número expressivo de deputados aliados. Por isso Temer está recuando em vários pontos, como as aposentadorias especiais de policiais e professores, redução da idade mínima de aposentadoria, entre outros. É claro que os bancos foram os primeiros a chiar. Com as mudanças na reforma da Previdência lá se vai uma economia de R$ 115 bilhões, por isso os banqueiros estão reclamando. Aliás, está sendo convocada greve geral pelas centrais sindicais para o próximo dia 28.

No próximo ano haverá eleições, os deputados sabem que se aprovassem a reforma como veio do Palácio do Planalto seria suicídio político. Mas quero aqui fazer um alerta. Se o governo Temer se enfraquecer ainda mais, se estourar algum escândalo, que pode até ser o desdobramento da delação da Odebrecht, com a abertura de investigações contra 9 ministros citados, o Palácio do Planalto pode esquecer a reforma.

07/04/2017

10:30

Me engana que eu gosto - 2 (Pezão)

Reprodução do Globo online
Reprodução do Globo online

Bem, ficamos combinados assim, Pezão vivia na casa de Cabral, inclusive passava réveillon em Mangaratiba, mas não sabe nada da vida pessoal do seu ex-chefe. Além disso, Pezão no seu depoimento à Justiça Federal de Curitiba jurou de pés juntos que nunca ouviu Cabral falar de propinas, nem conversou com ele sobre o tema. Um festival de mentiras que vai se repetir hoje, afinal Pezão prestará novo depoimento, desta vez ao juiz Marcelo Bretas. Conta outra, Pezão que essa foi boa!

07/04/2017

08:54

Fala Garotinho - 7 de abril de 2017

07/04/2017

07:32

Me engana que eu gosto - 1 (Temer)

Reprodução da Veja online
Reprodução da Veja online

O presidente Michel Temer pedindo rapidez ao TSE para julgar o caso da chapa com Dilma só mesmo rindo. Ora, todo mundo sabe que Temer quer adiar esse julgamento, de preferência para o próximo ano, porque com os recursos possíveis em caso de cassação não haverá tempo hábil para o desfecho até o final de 2018. O Palácio do Planalto está pressionando ministros do TSE para que um deles peça vistas do processo, isso está amplamente noticiado. Temer joga para a galera, mas subestima a opinião pública.

06/04/2017

18:14

Vêm aí mais processos contra Sérgio Cabral

Reproduções do Globo e da IstoÉ
Reproduções do Globo e da IstoÉ

Pelo menos mais dois processos vão se somar aos quatro que Cabral já responde, três no Rio e um no Paraná. A retomada da delação da OAS vai atingir não só Cabral, como Eduardo Paes e outros nomes do PMDB-RJ. E a delação dos herdeiros e diretores da H.Stern renderá mais um processo para Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo, Carlos Emanuel Miranda, o Avestruz, que era quem entregava o dinheiro da compra de joias. Assim serão quatro com o juiz Marcelo Bretas e dois com Sérgio Moro. E não vai parar por aí.

E a joalheria H.Stern deve estar arrependida de fazer negócios com Cabral. Recebeu R$ 6,3 milhões pelas joias, deve ter comemorado as vendas, mas para os dois herdeiros não irem presos terão que pagar multas que somadas atingem R$ 18 milhões, fora o que terão que acertar com a Receita Federal. Não fizeram um bom negócio.

Em tempo: Faço aqui uma retificação. Na comparação valor de joias x multas foi um mau negócio para a H.Stern. Mas se colocarmos na ponta do lápis a relação entre Cabral e a joalheria, a relação custo / benefício foi um negócio da China para a H.Stern. Não podemos esquecer que a joalheira preferida do casal Cabral - Adriana recebeu incentivos fiscais de R$ 104.495.102,71. Aliás, somando as 21 joalherias, os benefícios chegaram a R$ 231 milhões.

06/04/2017

17:01

Pezão não paga servidores, mas quer dar mais incentivos milionários

Câmara dos Deputados adia outra vez votação da dívida dos estados

Reprodução do Extra online
Reprodução do Extra online

A sensação que dá é que Pezão sabe que está chegando a hora em que vai ser afastado, que ocorrerá intervenção no Estado do Rio, e precisa correr para fazer "negócios". O projeto de recuperação fiscal dos estado prevê a redução dos incentivos fiscais. Pois não é que o governador quer conceder mais R$ 650 milhões de incentivos à Ambev. Alega que serão criados 120 empregos diretos. Bem fazendo uma conta simples, por cada emprego Pezão quer dar R$ 5,5 milhões em incentivos. O projeto já está na ALERJ, que, não duvido nada que vá aprovar esse absurdo. É um escárnio.

E mais uma semana vai terminar sem a votação do projeto de recuperação fiscal dos estados. Era terça, passou para ontem, depois ficou para hoje de manhã, agora foi empurrado para a próxima terça. E os servidores, ó...

PrimeiroAnterior1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 ProximoUltimo