Visitantes online: 905
logo topo

quarta-feira, 28 de junho de 2017

02/06/2017

21:26

GAROTINHO RECHAÇA NOVO PEDIDO DE PRISÃO

02/06/2017

19:38

PROMOTOR LEANDRO MANHÃES DESAFIA O TSE

Na tarde desta sexta feira, o promotor Leandro Manhães, mais uma vez, tenta se colocar acima da lei. Apesar do Tribunal Superior Eleitoral ter afirmado que não cabe censura numa sociedade democrática, ele invoca para si o papel de censor para definir o que é uma crítica desejável. Afirma também que há suposta intimidação a uma testemunha, que já prestou depoimento, para pedir minha prisão preventiva.
Meus advogados estão agindo, mas cabe aqui algumas observações. O papel de censor de opinião já foi revogado junto com a ditadura. Se o promotor Leandro Manhães quer voltar a exercer a indigna função de censor, torça pela volta de um regime de arbítrio onde as liberdades são suprimidas.
Quanto a testemunha, segundo o TSE, é indigna de fé, pois alterou seu depoimento 6 vezes ao longo do processo. Estranho também o fato do promotor fazer novamente o pedido ao juiz que acaba de assumir a ação no lugar de Ralph Manhães, que saiu de férias. Quem confunde opinião com ameaça deve estar com dúvidas em relação ao que faz.

ANTHONY GAROTINHO

02/06/2017

17:41

Piada de Eliseu Padilha

Reprodução da Veja online
Reprodução da Veja online

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha costuma ser um homem sisudo. Mas pelo jeito está virando piadista, ou então perdeu noção da realidade, ou não soube se expressar. O governo vai chegar a 2018, afinal apesar do Brasil estar uma bagunça, politicamente falando, não virar anarquia, continuará tendo governo ou desgoverno, como é caso do atual. Só os ocupantes do Palácio do Planalto é que vão mudar. Temer, Padilha e Moreira Franco, é elementar, não vão durar muito tempo.

Aliás, nessa entrevista à Rádio Gaúcha, Eliseu Padilha disse ainda que Rodrigo Rocha Loures foi "vítima de engodo". Conta outra que essa foi boa!

02/06/2017

16:30

Pergunta que não quer calar: E Pezão?

Reprodução do Zero Hora
Reprodução do Zero Hora

Está aí uma coisa que não consigo entender. Acho louvável a decisão da Justiça de bloquear o dinheiro de Cabral, Julio Lopes, seu braço-direito, Luiz Carlos Velloso. Porém, como já mostrei aqui, o último aditivo nas obras da linha 4 do metrô, no valor de R$ 850 milhões, foi assinado por Pezão. Logo também deveria ter havido o bloqueio do dinheiro do governador. Vocês não acham?

02/06/2017

15:05

Será que nunca vai se desvendar o mistério das viagens de Cabral?

Reprodução do Consultor Jurídico
Reprodução do Consultor Jurídico

Vejam vocês que essa ação foi impetrada por Clarissa Garotinho em 2012, ela ainda era deputada estadual. E cinco anos depois o STJ também nega o pedido de informações. Eu fico me perguntando para que serve a Lei de Acesso à Informação? As informações pedidas dizem respeito ao período em que Cabral era governador, ocupava cargo público. Vai entender! Enfim, continua o mistério das viagens de Cabral. Alguma vieram à tona durante a investigação da Operação Calicute, mas houve muitas outras em jatinhos particulares, e nunca se revelou os demais passageiros que embarcaram com Cabral.

02/06/2017

13:50

Uma questão sobre a eleição indireta

Não se espantem, caso Temer renuncie, seja cassado ou afastado, e for confirmada a eleição indireta, se for travada mais uma batalha jurídica no STF. É que está em curso um movimento no Senado para valorizar os votos dos senadores numa eventual eleição indireta, que não está sendo muito noticiado pela imprensa. Entendam a situação.

Em caso de eleição indireta votam os 513 deputados federais e os 81 senadores. Mas como seria a eleição?

A Câmara quer que a votação seja unicameral, ou seja votam todos juntos e escolhem o presidente. Já o Senado defende a votação bicameral, primeiro votariam os deputados e depois os senadores confirmariam o nome em nova votação.

O que está em jogo?

Numa eleição unicameral os votos dos deputados teriam muito mais peso, afinal são 513, enquanto há apenas 81 senadores. Essa é a disputa, pelo peso do voto

02/06/2017

11:55

Encontro Marcado - 02 de junho de 2017

02/06/2017

11:22

Grandes empresários à base de calmantes

Reprodução da Folha de S.Paulo
Reprodução da Folha de S.Paulo

Ah, se Palocci falar... É bom destacar que entre essas mais de 20 empresas que Palocci quer delatar os negócios escusos só tem pesos pesados. São grupos empresarias e bancos que estão no topo de todas as listas de "maiores e melhores", incluindo um grande grupo de comunicação. Podem imaginar como essa turma deve estar apavorada e como as áreas jurídicas devem estar em polvorosa. Fala, Palocci! Fala, Palocci!

02/06/2017

09:00

Fala Garotinho - 02 de junho de 2017

02/06/2017

07:50

Aécio não terá tropa de choque no Conselho de Ética do Senado

Aécio Neves; abaixo reprodução do blog de Ricardo Noblat
Aécio Neves; abaixo reprodução do blog de Ricardo Noblat

Aécio Neves será cassado. O jornalista Ricardo Noblat está certo. Conversei hoje com um parlamentar tucano que vem participando das reuniões internas do comando de seu partido, que me fez uma afirmação e uma ponderação.

A afirmação é que, apesar de toda a influência de Aécio no Senado não terá uma tropa de choque para o defender, como Eduardo Cunha teve na Câmara dos Deputados. Os senadores tucanos consideram que a situação de Aécio é como "batom na cueca", foi pego "com a boca na botija". Nas primeiras reuniões do Conselho de Ética, que deve começar a analisar na próxima semana o pedido de cassação protocolado pelo PSOL e pela Rede, um ou outro senador poderá até usar o microfone para falar no direito à ampla defesa, que não se pode crucificar antes de haver provas. Mas será só para constar, para fazer média com Aécio, mas sem se expor nem com defesas exaltadas, como fizeram os aliados de Cunha.

A ponderação é que o PSDB está articulando para vencer a eleição indireta. Ainda que o povo não vote, não quer se desgastar com a opinião pública defendendo um colega que não tem defesa, e que ainda por cima é considerada uma causa perdida.

Portanto Aécio não tem escapatória no Senado.

01/06/2017

18:57

Rafael Diniz assume que não gosta de trabalhador e acaba com o Cheque Cidadão e a Passagem Social

Prefeito de Campos, Rafael Diniz
Prefeito de Campos, Rafael Diniz

Depois que o nosso blog tirou a máscara do prefeito Rafael Diniz, mostrando que ele já comprou, contratou ou pagou sem licitação R$ 80 milhões, jogando por terra sua falácia de que a prefeitura estava sem dinheiro, resolveu assumir definitivamente sua verdadeira face de carrasco dos servidores e do povo.

Como poderão ver abaixo, enviou à Câmara de Vereadores dois projetos de lei covardes. O primeiro acaba com o Cheque Cidadão e o segundo com a Passagem Social.

No caso do Cheque Cidadão, além de trocar o nome do programa, ele suspende o pagamento por 90 dias, aumenta em 50% a renda per capita exigida para as famílias receberem o benefício. E também cria uma série de obstáculos para que as famílias possam ter direito ao benefício.



No segundo projeto a Passagem Social subirá 100%, passando de R$ 1 (valor atual) para R$ 2, com um agravante colocado explicitamente na lei, e que demonstra qual é o interesse futuro do prefeito ao afirmar que “se por qualquer motivo a prefeitura deixar de pagar a diferença entre o valor da tarifa real e o subsídio pago pela prefeitura, os usuários ficam obrigados a pagar o valor integral da passagem”. Ocorre que no município de Campos, cuja extensão territorial é superior a 4.000 quilômetros quadrados, o equivalente a quatro vezes o antigo Estado da Guanabara, as passagens antes do governo Rosinha variavam de acordo com a distância do distrito, e algumas há 10 anos, anteriormente à implantação da Passagem Social chegavam a custar, a preços da época, R$ 14. Quanto custaria essa passagem no dia de hoje?



A atitude do prefeito Rafael Diniz atende somente a um interesse, dos empresários de ônibus, que sempre tentaram, através de boicotes, acabar com a Passagem Social.

Pelo que fez até agora e pelas decisões que acaba de tomar, Rafael Diniz assume sua identidade real, que tentou esconder durante a campanha eleitoral. Ele revela definitivamente que é um prefeito contra os trabalhadores, contra os mais humildes, contra os que precisam de ônibus para trabalhar, contra aqueles que necessitam de comida na sua mesa, ou seja, contra a grande maioria da população.

Rafael Diniz, sem máscara, assume que é o candidato de uma minoria preconceituosa e elitista, que não gosta de pobre, negro e trabalhador.

01/06/2017

17:37

Fim da recessão, anunciado por Temer, não passa de jogada de marketing

Manchetes do Estadão
Manchetes do Estadão

Michel Temer e o Palácio do Planalto exultam com o resultado de crescimento de 1% do PIB no primeiro trimestre. Só omitem que esse pequeno crescimento se deve única e exclusivamente ao setor agropecuário, graças a uma safra recorde, e nos demais setores da economia não houve nenhum avança, pelo contrário, a indústria sofreu mais uma queda. Temer gravou vídeo parta as redes sociais comemorando: "O Brasil saiu da recessão. Esta é a boa nova que partilho hoje com os brasileiros. Estamos crescendo e logo a boa notícia será o emprego". O desemprego no mesmo trimestre aumentou, tivemos um milhão de desempregados a mais. Ontem mesmo a Confederação Nacional da Indústria divulgou índice que mostra que expectativa do setor piorou. Como vários economistas colocaram, é preciso ver o segundo trimestre, e as previsões não são de novo crescimento, até mesmo por conta das incertezas da crise política, para poder se afirmar que o Brasil saiu da recessão. A gerente de contas nacionais do IBGE (órgão do governo), Rebeca Palis, por exemplo, não compartilha do mesmo otimismo: "É preciso esperar um pouco para ver o que vai acontecer este ano. A gente teve crescimento no trimestre, mas foi sobre uma base muito deprimida. E, se olharmos no longo prazo, ainda estamos no mesmo nível de 2010". Em suma Temer faz o seu papel de vender otimismo, mas só os ingênuos ou incautos compram essa afirmação de que a recessão acabou e que agora os empregos vão aparecer.

01/06/2017

16:10

Cabral é muito pior que criminoso comum

Reprodução do Radar online, da Veja
Reprodução do Radar online, da Veja

O juiz Marcelo Bretas está coberto de razão. Nenhum ladrão comum praticou nada perto do assalto bilionário que Sérgio Cabral comandou com sua quadrilha, e que levou o Estado do Rio à bancarrota, à falência, a ponto de nada funcionar, nem os servidores receberem seu salário. Aliás, Pezão teve significativa participação nesse assalto escandaloso. E ainda falta muita coisa vir à tona. Muito mais gente ainda irá fazer companhia a Cabral na cadeia.

Com a operação de hoje e a revelada mesada de R$ 200 mil que as empresas da família De Luca, do empresário preso Marco Antônio de Luca, Cabral será réu pela décima vez. No processo de Curitiba, com Sérgio Moro, a defesa de Cabral tem prazo até segunda-feira para apresentar as alegações finais. Será a primeira de muitas condenações e deverá acontecer ainda este mês.

01/06/2017

14:58

Para abafar protestos de centrais sindicais, Temer oferece novo imposto sindical

Temer e Paulinho da Força em encontro com sindicalistas realizado em 2016
Temer e Paulinho da Força em encontro com sindicalistas realizado em 2016

Sem fazer alarde o presidente Michel Temer recebeu líderes de centrais sindicais, que estão em polvorosa com a iminência do fim do imposto sindical, previsto na reforma trabalhista aprovada na Câmara e que será votada no Senado. O Palácio do Planalto considera as centrais sindicais uma pedra no seu sapato, porque são o setor que mais mobiliza protestos contra as reformas. Por isso Temer garantiu aos sindicalistas que, logo que a reforma trabalhista seja aprovada no Senado, editará uma Medida Provisória recriando o imposto sindical, que tira um dia de trabalho de todos os empregados com carteira assinada e que é dividido entre sindicatos, centrais sindicais e o Ministério do Trabalho. Os representantes das centrais adoraram, era tudo o que queriam ouvir, e se comprometeram a afrouxar as críticas às reformas. Só tem um problema: é pouco provável que Temer resista até a votação da reforma trabalhista no Senado, que por sinal foi adiada porque o governo sabia que não tinha os votos necessários na comissão que trata do tema. A esta altura também não há nenhuma certeza de que a reforma seja aprovada, pelo menos do jeito que está.

01/06/2017

13:25

Os negócios da família de Luca com Cabral, Pezão e Eduardo Paes

Marco Antônio de Luca
Marco Antônio de Luca

O Ministério Público Federal fala em propina de R$ 12 milhões paga por Marco Antônio de Luca a Sérgio Cabral. Mas isso refere-se apenas a uma mesada de R$ 200 mil paga ao ex-governador. Pelos contratos com o Estado rolavam propinas muito mais elevadas. Só com os governos Cabral / Pezão, segundo o MPF, o empresário e as empresas da família fizeram contratos de R$ 8 bilhões. Fora o que recebeu de Eduardo Paes.

Marco Antônio era vizinho de Cabral no condomínio Portobello, em Mangaratiba e usava o codinome "Josefino" para se comunicar através de aplicativo de mensagens.

Vejam matéria publicada no nosso blog no início de 2012 denunciando as maracutaias com Cabral e Eduardo Paes.

Reprodução do Blog do Garotinho (28/01/2012)
Reprodução do Blog do Garotinho (28/01/2012)


Em tempo: O MPF já sabe dos negócios da família De Luca com o comitê Rio - 2016. Vão chegar em mais gente graúda.

01/06/2017

11:55

Encontro Marcado - 01 de 2017

PrimeiroAnterior1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 ProximoUltimo