Visitantes online: 994
logo topo

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

15/11/2018

14:54

Operador de Cabral diz que 40 políticos do RJ receberam caixa 2, e que Paes pediu dinheiro para o MDB

14/11/2018

17:55

Ainda falta muita gente ir pra cadeia

Reprodução capa Jornal Extra
Reprodução capa Jornal Extra
Tudo que eu disse foi comprovado, mas ainda falta muita gente ir em cana e muitos fatos serem apurados.

Quando em 2012 apresentei notícia-crime à PGR em Brasília, descrevendo detalhes da organização criminosa liderada por Sérgio Cabral, muitos riram. Outros me chamaram de louco. Em 2016 ampliei as denúncias e protocolei na PGR. Muito foi apurado pela força tarefa do MP FEDERAL, mas ainda estamos na metade do caminho a ser percorrido.

Quem acompanha meu blog sabe que são mais de 10 anos combatendo os tentáculos da Gangue dos Guardanapos, que tomou o Estado de assalto.
Tenho sido perseguido, humilhado,injustiçado e até mesmo covardemente preso e torturado por esse bando de sanguessugas do dinheiro público.

Apesar de todo o sofrimento imposto a mim, a minha família e até a alguns amigos pelos aliados de Cabral em vários poderes do Estado, não me arrependo nem me lamento, pois sei que o povo um dia irá compreender que toda essa luta foi por ele mesmo. Para que o dinheiro público não seja transformado em riqueza pessoal de poucos, enquanto a imensa maioria sofre sem emprego, sem escola, sem hospitais, enfim, sem futuro.

13/11/2018

16:57

Cláudio Lopes pode levar Rafael Diniz pra cadeia

Reprodução página GloboNews
Reprodução página GloboNews

Segundo matéria divulgada agora há pouco pela GloboNews, o ex-procurador, que usava seu prestígio para fazer obstrução de justiça, pode complicar a vida do atual prefeito de Campos.

12/11/2018

06:51

A hora da verdade para Pezão

Reprodução do Blog do Lauro Jardim
Reprodução do Blog do Lauro Jardim

11/11/2018

20:50

Enquanto o povo sofre em ônibus e trens velhos para ir ao trabalho, PEZÃO anda nas alturas

Foto: Bruno Albernaz/G1
Foto: Bruno Albernaz/G1


Desde que assumiu o governo do Estado do Rio, em abril de 2014, Luiz Fernando Pezão usou o helicóptero oficial 134 vezes entre a capital e Piraí, no Sul Fluminense, onde tem casa e é seu reduto eleitoral. Os dados foram obtidos com exclusividade pelo G1, com base na Lei de Acesso à Informação.

As viagens para Piraí ocorreram quase sempre ao lado da primeira-dama, Maria Lúcia Jardim. Ela o acompanhou 80 vezes. Também aparecem nos voos o enteado Roberto Horta e o sobrinho de consideração Marcelo Amorim. Marcelinho, como é conhecido, foi citado na Lava Jato como arrecadador da propina para o governador, que nega.
O governador voou mais da metade das vezes nos fins de semana. Em 74 ocasiões, Pezão usou helicópteros oficiais para ir ou voltar de Piraí entre sexta e domingo.

O uso de aeronaves por autoridades públicas foi limitado por um decreto do antecessor de Pezão, Sérgio Cabral, após o episódio que ficou conhecido como "Farra dos Helicópteros". Cabral determinou que a utilização era exclusiva para o trabalho, após a revelação de que até o cachorro da família, Juquinha, planava do Rio à casa de veraneio de Mangaratiba. Esse decreto não cita a possibilidade de levar acompanhante.

O governo Pezão diz que o uso do helicóptero é legal. "Os deslocamentos se dão para desempenho de atividades próprias dos serviços públicos, em missões oficiais ou por questões de segurança, conforme recomendação da Subsecretaria Militar da Casa Civil", informa nota do Palácio Guanabara.



Reprodução: Portal G1

09/11/2018

17:39

Advogado preso em operação tentou se livrar de dinheiro pela privada de casa, diz PF

Reprodução matéria do portal G1
Reprodução matéria do portal G1
No Rio, dinheiro pelos ares; em Minas, na privada.
Vale tudo para se livrar da propina.

09/11/2018

14:28

Rosinha comenta a Operação Furna da Onça

De acordo com as investigações, o esquema de compra e venda de votos na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) movimentou ao menos R$ 54 milhões.

09/11/2018

13:31

Operação Furna da Onça faz "chover" em Rio Bonito

A Operação Furna da Onça provocou um fenômeno climático inusitado nesta quinta-feira: chuva de dinheiro. Quando a Polícia Federal cercou a casa do deputado estadual Marcos Abrahão (Avante), em Rio Bonito, na Região Metropolitana do Rio, alguém tentou evitar que dois malotes, cheios de cédulas, fossem encontrados no imóvel. Disfarçadamente, uma pessoa abriu a janela e lançou pelos ares os pacotes. Não adiantou, porque as notas foram encontradas e apreendidas pelos agentes.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Abrahão tenta esconder ainda um bem mais vistoso — uma fábrica que ocupa um quarteirão inteiro em Rio Bonito. Segundo os procuradores, a Metal Bonito Metalúrgica pertence ao deputado, mas está em nome de um “laranja”, que é assessor do político e motorista de aplicativo nas horas vagas.

09/11/2018

13:20

Operação Furna da Onça: ainda falta gente a ser preso


Ontem a Polícia Federal deflagou a Operação Furna da Onça, que investiga o que o Ministério Público Federal chama de "mensalinho" da Alerj. Os valores chegavam a R$ 900 mil. A investida cumpriu todos os 22 mandados de prisão – três alvos já estavam presos desde o fim de 2017, quando da Operação Cadeia Velha. No total, dez são deputados estaduais, cinco deles reeleitos.

Também foi alvo da operação o secretário estadual de Governo, Affonso Monnerat, apontado como o canal entre Alerj e Palácio Guanabara - o governador, Luiz Fernando Pezão, não é investigado.

Segundo o MPF, os "mensalinhos" e prêmios pagos para deputados se distribuíram da seguinte maneira:
André Corrêa (DEM): R$ 100 mil/mês
Edson Albertassi (MDB): R$ 80 mil/mês + R$ 1 milhão
Chiquinho da Mangueira (PSC): mais de R$ 3 milhões
Coronel Jairo (SD): R$ 50 mil/mês + prêmio
Jorge Picciani (MDB): R$ 400 mil/mês + prêmio
Luiz Martins (PDT): R$ 80 mil/mês + R$ 1,2 milhão
Marcelo Simão (PP): R$ 20 mil/mês
Marcos Abrahão (Avante): R$ 80 mil/mês + R$ 1,5 milhão
Marcus Vinicius “Neskau” (PTB): R$ 50 mil/mês
Paulo Melo (MDB): R$ 900 mil/mês + prêmio



Como disse ontem no meu Facebook, tá faltando gente ainda ir pra cadeia. A conferir.

07/11/2018

20:46

Receita Federal cerca Adriana Ancelmo e Fecomércio



A Receita Federal pediu ao juiz Marcelo Bretas que autorize o compartilhamento de documentos apreendidos na sede da Fecomércio, no Rio, pela Operação Jabuti.

Assinado pelo supervisor da força-tarefa da Receita na Lava-Jato, Marco Aurélio Silva Canal, o documento solicita que a PF envie todos as provas de pagamento feitos pela entidade ao escritório de advocacia da ex-primeira-dama do Rio Adriana Ancelmo.

Desencadeada em fevereiro, a operação teve como alvo o ex-presidente da entidade, Orlando Diniz.

Entre os desvios investigados está a contratação de funcionários fantasmas pelo Sesc e pelo Senac. Eles estavam alocados no Palácio Guanabara, sede do governo estadual.

Reprodução: Revista VEJA

06/11/2018

19:37

CNJ ABRE PROCESSO DISCIPLINAR CONTRA O JUIZ GLAUCENIR OLIVEIRA


Com um duro discurso do Presidente do Conselho Nacional de Justiça e presidente do SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, ministro Dias Toffoli,foi instaurado processo disciplinar contra o juiz que usando a rede de WhatsApp de magistrados me acusou de ter comprado uma decisão do ministro Gilmar Mendes, além de atacar o judiciário federal.

Para não ser afastado de imediato do cargo, pediu desculpas ao ministro Gilmar Mendes e perdão pela mentira que inventou para justificar a decisão do presidente do TSE à época dos fatos, que cassou sua decisão sem fundamento.

Aliás,o batalhão escalado por seu padrinho para defendê-lo fez questão de esconder de sua trajetória de 22 anos de magistratura suas arbitrariedades, como a prisão da guarda municipal que pediu para que ele colocasse um cinto de segurança ou a ameaça de prisão ao médico MARCELO JARDIM, chefe da unidade coronariana do SOUZA AGUIAR, se não autorizasse minha retirada do hospital de onde fui arrancado, sob ameaça de morte súbita e sem autorização médica.

Escondeu também que inventou uma tentativa de suborno, que jamais aconteceu, para justificar uma prisão arbitrária.

Agora vai responder ao processo disciplinar e também à ação por danos morais que moverei contra ele.

A justiça não deve proteger quem se utiliza da toga para outra atitude que não seja julgar com imparcialidade, respeitando os princípios da moralidade, da verdade e, principalmente, com a responsabilidade e equilíbrio que o cargo requer.

Foram severas as críticas feitas ao magistrado, tanto pelo relator, ministro Humberto Martins, e pelo presidente Dias Toffoli.

06/11/2018

07:31

A verdade pode demorar, mas prevalece

Reprodução Revista Época Online
Reprodução Revista Época Online

04/11/2018

17:56

NA ELEIÇÃO, O POVO É O JUIZ!

Cada notícia que recebo reafirma minha convicção de que a negativa ao meu registro de candidatura foi uma articulação político/ jurídica. Minha eleição ao governo do estado do Rio de Janeiro iria contrariar interesses muito fortes que ainda se escondem das investigações feitas até agora no estado.

Quando meu nome apareceu em segundo lugar nas pesquisas oficiais, eu já estava em primeiro nas internas. Para a quadrilha do PMDB acendeu a “luz vermelha” e aí o plano foi acionado. O grupo estava certo que sem o Garotinho na disputa a vitória de Eduardo Paes era a garantia de proteção e de impunidade. Faltou combinar com o povo... Ganhou o juiz! Agora é esperar e torcer para que toda a verdade apareça.

04/11/2018

13:50

MPF acusa Picciani, Melo e Albertassi por organização criminosa

29/10/2018

13:31

"A ESPERANÇA TEM DUAS FILHAS LINDAS, A INDIGNAÇÃO E A CORAGEM; A INDIGNAÇÃO NOS ENSINA A NÃO ACEITAR AS COISAS COMO ESTÃO; A CORAGEM, A MUDÁ-LAS.”

A GANGUE DOS GUARDANAPOS RINDO ÀS CUSTAS DO DINHEIRO PÚBLICO EM PARIS
A GANGUE DOS GUARDANAPOS RINDO ÀS CUSTAS DO DINHEIRO PÚBLICO EM PARIS


Quando em 2007 comecei a mostrar a população que o governo Sérgio Cabral era uma farsa, uma quadrilha montada para roubar o dinheiro público, sofri muito. Fui perseguido de todas as maneiras possíveis. Politicamente tentaram o meu isolamento, usaram setores da fiscalização de ICMS do estado para amedrontar os meus patrocinadores, me tiraram de rádios para tentar calar a minha voz, usaram de setores corrompidos do Ministério Público e da Justiça para me intimidar através de propositoras de ações e processos. Mas, nesses onze anos consegui resistir e ontem pude ver mais um capítulo (ainda não é o último), do levante do povo contra aqueles que transformaram o dinheiro público em patrimônio pessoal. A derrota de Eduardo Paes foi estrondosa! Com todo respeito ao vencedor, o juiz Wilson Witzel, o representante da “Gangue dos Guardanapos” perdeu porque não conseguiu, apesar dos esforços de setores da mídia (especialmente a Globo), continuar enganando a população do nosso estado. Utilizo das palavras de Sérgio Cabral e Eduardo Paes para agradecer o povo do Rio de Janeiro. Neste vídeo eles comemoram a compra dos votos para o Rio se tornar a sede das Olimpíadas, onde fizeram negócios escabrosos e faliram a Prefeitura do Rio.



Nos tempos áureos, a Gangue dos Guardanapos podia tudo. Mentir, roubar, superfaturar obras, comprar partidos políticos, influenciar a justiça, impedir investigações em Brasília, mas como toda maldade, não dura para sempre. A candidatura de Eduardo Paes, derrotada ontem, nasceu de uma fraude arquitetada desde o tempo em que se filiou fora do prazo numa manobra comandada por Cabral num dos restaurantes mais caros do mundo. Veja o vídeo abaixo:



Com o domínio do Governo do Estado, na época com a vitória de Eduardo Paes na Prefeitura do Rio, e com o controle das principais prefeituras do estado, Cabral achou-se no direito de fazer tudo, inclusive de corromper boa parte da esquerda do estado que foi apoiá-lo no governo e participou com ele da partilha do roubo do dinheiro público. O PDT de tradições históricas foi corrompido através do seu presidente Carlos Lupi e de sua bancada estadual. O PT acabou compondo com Cabral e deu a Eduardo Paes o vice em sua reeleição, o vereador Adilson Pires, da zona Oeste do Rio, tudo em nome do poder sem limites. Fiquei como uma voz solitária, gritando contra Cabral, Picciani, Eduardo Paes, Pezão e seus aliados. Até mesmo autoridades federais permitiram que Cabral as submetesse a vexame público, como é o caso da ex-Presidente Dilma, onde Cabral completamente embriagado e deslumbrado com o poder durante o desfile das Escolas de Samba para extravasar sua vaidade sem limites proporcionou uma das cenas mais bizarras da história política recente. Veja o vídeo abaixo:



Empresários, instituições como a FECOMÉRCIO, empreiteiros, fornecedores do estado, intelectuais e outros setores tiveram que submeter a “orgia” com o dinheiro público comandada por Cabral. O projeto era roubar, roubar e roubar.
Jorge Picciani, do seu antigo Corcel velho, tornou-se um dos maiores proprietários de terra e gado do Brasil. Paulo Melo, de vendedor de cocada, um dos maiores milionários da região dos Lagos. Pezão, um prefeito de uma pequena cidade do interior, depois de morar na república do Leblon, mudou-se para um condomínio de luxo onde vive hoje. Eduardo Paes, de subprefeito da Barra passou a esconder dinheiro no exterior usando as contas de membros da sua família. Eles pagarão caro por isso.

Jorge Picciani, Luiz Fernando Pezão, Sérgio Cabral e Eduardo Paes
Jorge Picciani, Luiz Fernando Pezão, Sérgio Cabral e Eduardo Paes


Tudo isso e muito mais, denunciado por nós e sobre o silêncio estrondoso da mídia.
Os recursos públicos foram utilizados para comprar o silêncio daqueles que deveriam ter o compromisso de informar a população das farras que ocorriam com o dinheiro público.

Cabral, seus amigos e operadores financeiros em farras em hoteis de luxo.
Cabral, seus amigos e operadores financeiros em farras em hoteis de luxo.


Nas horas de folga, Show do U2, jantares em tabernas e em restaurantes famosos na Riviera Francesa, tudo às custas do seu dinheiro.
Nas horas de folga, Show do U2, jantares em tabernas e em restaurantes famosos na Riviera Francesa, tudo às custas do seu dinheiro.

Empresários, deputados federais, secretários exibindo Ferrari na Champs-Élysées, e as esposas deslumbradas com os sapatos Loubotin.
Empresários, deputados federais, secretários exibindo Ferrari na Champs-Élysées, e as esposas deslumbradas com os sapatos Loubotin.


Fui condenado ao SILÊNCIO, apesar de no ano de 2012 ter protocolado na Procuradoria Geral da República em Brasília, uma notícia crime contra Cabral e a maioria dos presos ou investigados da Operação Lava-Jato no Rio. Mas, as alianças feitas por Cabral no âmbito do Governo Federal, do judiciário e do Ministério Público, faziam dele e de seu grupo uma espécie de “reino dos intocáveis”. Eduardo Paes, sempre participou de tudo e a partir de sua posse na prefeitura em 2009, passou a repetir o modelo de falcatruas do estado na prefeitura do Rio, hoje também falida. De todas as formas, Eduardo como sobrevivente da primeira etapa das investigações, repito embora denunciado por mim desde 2012, fazia desta sua candidatura ao governo do estado, um ato desesperado de sobrevivência do seu grupo que, contava com sua vitória para encobrir boa parte das maracutaias que ainda não foram reveladas. Eduardo Paes que participou ativamente com Rei Arthur e outros empresários que se beneficiaram dos governos do PMDB no estado e na prefeitura, comprou as olimpíadas e fez delas um balcão de negócios para amigos.

Eduardo Paes e Sérgio Cabral no jantar da Gangue dos Guardanapos
Eduardo Paes e Sérgio Cabral no jantar da Gangue dos Guardanapos


Vejam os senhores que fui processado por calúnia, injúria e difamação por Eduardo Cunha, Sérgio Côrtes, Régis Fitchner, o próprio Sérgio Cabral, entre outros integrantes que participaram do maior assalto aos cofres públicos da história do Rio de Janeiro.

COM A DERROTA DE EDUARDO PAES AO GOVERNO DO ESTADO, ARRANCAMOS OS GUARDANAPOS DA CABEÇA DELES! MAS, AINDA FALTA MUITO PARA TODA A VERDADE APARECER.

Eles cantaram parabéns com dinheiro do povo para celebrar o aniversário da ex-primeira dama Adriana Ancelmo no luxo de um hotel em Paris. Relembre:



Agora Eduardo Paes que tentava através de sua candidatura salvar a sua pele e a de outros integrantes da Gangue dos Guardanapos, vai pagar por tudo que fez contra o povo. Aliás, a partir de amanhã estaremos divulgando a mini série que eles conseguiram na justiça impedir que fosse divulgado. O povo do Rio fez a sua parte, muita gente nesse estado precisa fazer uma autocrítica de seu comportamento durante a “era Cabral/Paes/Pezão/Picciani” que se encerra. A imprensa precisa voltar a investir no jornalismo investigativo independente e a justiça deixar de ter LADO e ser imparcial e imaculada, como afirmou o seu patrono Rui Barbosa.
Quanto a soberba de Eduardo Paes, recomendo que ele se prepare para enfrentar a Justiça Federal.



Quanto a mim, quero dizer que cumpri o meu papel. Paguei o preço mais caro de todos, até mesmo perdendo injustamente em alguns momentos a minha liberdade. Mas, continuo de cabeça erguida e mãos limpas e tenho certeza que a história que contei ao longo desses anos serviu para que o povo do Rio tomasse a decisão certa no dia de ontem.

Desejo ao governador eleito boa sorte e muito trabalho. Torço para que ele acerte pelo nosso povo que já sofreu tanto.

23/10/2018

22:48

Por que é necessário derrotar o MDB e seus aliados? GAROTINHO CONTA TUDO

Garotinho dá detalhes de quem participou, como o esquema contaminou diversos setores e a posição da necessidade do rompimento do sistema que continua operando com Pezão e quer se prologar com Eduardo PAES.


PrimeiroAnterior1 2 3 4 5 6 ProximoUltimo